Sociedade

  • Colo precioso

    Os pais educam, os avós estragam? Perceber o verdadeiro papel dos avós na educação dos netos é o desafio que proponho. Assim, vou tentar sistematizar aquelas que considero serem as principais vantagens desta relação:

    Segurança – Geralmente os avós são mais calmos e têm mais tempo (e, inclusivamente, paciência) para as crianças, o que transmite a estas uma sensação de segurança e bem-estar. [...]

    leia o artigo completo em lifestyle...

  • Combate à decadência

    Muito se fala em civilização e valores e nas conquistas realizadas, mas o que se vê é a continuada decadência da humanidade. As novas gerações foram conduzidas para uma nova forma de pensar com pouca esperança e pouca responsabilidade. Não há mais preocupação com a construção de melhor futuro nem com a compreensão do significado da vida.

  • Como sair do turbilhão

    Com a aceleração geral, o ser humano está perdendo a capacidade de refletir e analisar a vida e os acontecimentos que o rodeiam e não consegue mais refletir por si, perdendo a essência e capacitações. A vida está acelerada, mas cultural e moralmente há estagnação e retrocesso.

  • Correntes negativas

    Inúmeras vezes nos deixamos levar pelo negativismo que paira no ar; olhamos pouco para as coisas boas e as grandes possibilidades, e permanecemos travados em situações menores. É muito importante utilizar os pensamentos e palavras para bloquear a corrente negativa que a tudo invade.

  • Crise; esperança!

    Nem empregador nem os empregados têm culpa disso, nem o capital nem a sua falta, nem a igreja nem o Estado, nem as diferentes nações, mas tão-somente a sintonização errada das pessoas, individualmente, fez com que tudo chegasse a tanto!

    Abdruschin

    A Europa, democrática e solidária, geme sob os lamentos de Ophelia, sufocados pelo grito indignado dos injustiçados, tiranizados pelo jugo cego e egocêntrico de um liberalismo económico, carrasco do espirito social, que construiu e uniu uma Europa tirana e devastada, numa Europa moderna e social. Com o tempo que muda, também muda a humana vontade, alimentando valores ancestrais, nem sempre dignos, mas repetindo-se num ciclo vicioso, em que a experiência serve para aprimorar o que de mau foi feito para mau continuar. Os sistemas mudam, a indigência espiritual e humana mantém-se, e o ciclo da história repete-se, não nas mesmas ações, mas nos efeitos.

  • Decadência da Humanidade

    Após o julgamento arbitrário e crucificação de Jesus, formou-se em Roma um núcleo de pessoas que havia reconhecido a missão do Messias. Ele não criou nenhuma igreja ou religião, mas ofereceu em parábolas simples a explicação do funcionamento das leis naturais da Criação. Era uma mensagem para aqueles que, já naquela época, estavam sintonizados prioritariamente na vida material, com objetivo de que despertassem e buscassem a compreensão do significado espiritual da vida seguindo as leis naturais da Criação.

  • Desigualdade e vida digna

    Os suíços estão discutindo projeto de renda mínima garantida de 2.500 dólares para todos os cidadãos, para que tenham uma vida digna e condições de participar na atividade pública da sociedade. E de onde viriam os recursos? Os seres humanos são desiguais entre si em sua maturidade e desenvolvimento; alguns agem com clareza e decisão na busca do que desejam; outros, mais acomodados, ficam à espera de benesses, mas isso não autoriza que sejam explorados e mantidos em condições sub-humanas. Esses têm de ser despertados de seu torpor e preparados para fazer parte do sistema.

  • Economia e ecologia têm de andar juntas

    Como tirar proveito dos resultados da globalização sem comprometer o que já havia sido conquistado em termos de qualidade de vida? O mundo se defronta com temas preocupantes como a redução dos empregos, a ascensão de líderes populistas e nacionalistas, o progressivo avanço das alterações do clima e a disseminação de ódio entre os seres humanos.

  • Empreendedorismo

    Humanizar o insucesso e fazer dele uma ferramenta construtiva, ao mostrar que se trata apenas de mais um passo em direção ao sucesso.

  • Esperança

    “ Enquanto houver sobre a Terra alguém que procure levantar o Céu, quer dizer, implantar um pouco de bondade e de beleza sobre a Terra, restabelecer equilíbrios, perdoar ofensas, respeitar o “Céu”, renunciar ao poder, plantar uma árvore e regá-la todos os dias, vibrar com uma cantata de Bach, arriscar a vida para matar a fome a alguém, comover-se com o riso de uma criança, sentir-se interpelado pelo mistério de Jesus Cristo no Getsémani como Aquele que carrega os pecados do mundo – enquanto houver alguém que teime em entregar-se à Vida, sem pensar em si mesmo, mas tendo em mente os seus semelhantes – não é insensato manter a esperança. “

    José Mattosoem Levantar o Céu

    Enquanto houver esperança, o ser humano dará mais um passo na longa jornada, que é a sua vivência experiencial, no sentido da vida individual e nos equilíbrios da vida em comum. Um manto de névoa cobre a sociedade dos homens na época atual, nada de extraordinário, já que, em tempos idos, outras épocas de nevoeiro obscureceram a nossa visão humanista e o sofrimento se abateu sobre nós; no histórico da sabedoria popular, podemos usufruir do seu património cultural e educacional, “não há mal que sempre dure nem bem que não acabe”. Sabemos ser fortes diante das muitas adversidades com que a vida nos contempla, dos muitos sofrimentos que nos afligem, das injustiças com que nos deparamos, perante situações verdadeiramente complexas, doenças, calamidades, guerras, pobreza e um rosário de outras aflições…

  • Eutanásia

    O ministro da Saúde evitou esta sexta-feira (10/02) pronunciar-se sobre a eutanásia, sublinhando que é uma zona que exige “grande reflexão, grande ponderação individual e grande sentido de responsabilidade”. “O ministro da saúde não se pronunciará em nenhum momento sobre a matéria, até ao momento em que a discussão estiver num plano de profundidade, de densidade e de ponderação, e eu acompanho o que tem sido dito por muitos atores e responsáveis políticos”, afirmou. Adalberto Campos Fernandes acrescentou: “É uma zona que exige grande reflexão, grande ponderação individual, grande sentido de responsabilidade e eu contribuirei decisivamente para esse sentido de responsabilidade”.

    Leia o artigo no Sapo 24...

  • Evolução e espiritualidade

    O planeta Terra foi estruturado para que surgissem as necessárias condições para a vida humana, possibilitando a penetração e o desabrochar do elemento espiritual com sua energia apta a prosseguir no beneficiamento geral e embelezamento. No entanto, ao longo dos séculos, o homem, com o seu livre arbítrio, passou a fazer escolhas e tomar decisões as quais acabaram transformando o mundo em um lugar perigoso para se viver.

  • Faro, Algarve, Portugal

    O concelho de Faro é composto por duas áreas distintas, o litoral, onde está inserido o Parque Natural da Ria Formosa e o barrocal, caraterizado por encostas e vales, onde existem algumas espécies características da vegetação do Algarve. A cidade também é conhecida pela famosa Ecovia do Litoral, um dos trechos da Ecovia do Algarve, um circuito que continua pelo país vizinho com a ambição de ligar toda a Europa em bicicleta.

    leia o artigo em Sapoviagens...

  • Humanidade

    A sociedade que não ousa exprimir-se livremente não é uma sociedade humana. O homem é homem porque tem direito à liberdade, ao saber e ao conhecimento. Retirar-lhe esse direito é tirar-lhe a sua humanidade.

    Adonis, poeta

  • Jason Bourne: a turbulência impera na realidade e na ficção

    Chegou o badalado filme trazendo de volta o original Jason Bourne, (Matt Damon) num mundo dominado pelos detentores das moedas e pela falta de preparo das novas gerações para a vida, com misérias e insatisfações que levam as massas ao limite crítico. Jason havia se ocultado num ambiente decadente, nas sombras do embrutecimento para fugir dos conflitos interiores, de onde a ex-agente Nicky Parsons, (Julia Stiles) agora, revoltada com a situação, quer resgatá-lo para desmascarar os golpes dos poderosos.

  • Liberdade

    O princípio de qualquer ser racional como fim em si mesmo estabelece o limite da liberdade de qualquer pessoa. Sou livre até encontrar como limite a liberdade do outro..

    Immanuel Kant

  • Livre mercado e capitalismo de Estado

    Há no mundo um ordenamento geral. São as leis naturais da Criação: gravidade, atração da igual espécie, reciprocidade, equilíbrio e movimento. Tudo funciona harmoniosamente. O ser humano dispõe de livre resolução, mas deveria reconhecer e se enquadrar para construir progresso e evolução, embora insista em agir puerilmente em oposição a elas, semeando desordens e destruição para onde quer que se olhe.

  • Mundo e submundo

    A Segunda Grande Guerra Mundial dos anos 1939-1945 revelou a desumanização. No pós-guerra havia o forte desejo de paz e de reumanização da vida, logo substituído pela ânsia por poder e prazeres. O atual cenário do planeta é desolador. O ser humano se tornou apto a destruir as condições que asseguram a vida no planeta e à sua própria existência. No Brasil a situação é particularmente caótica: avanço das drogas, presos que se rebelam com violência destruindo tudo, mulheres ameaçadas de estupro, caos nas cidades, e avanço da precariedade. Retornar ao humano, à seriedade e consideração, é o imperativo desta lúgubre época de desmandos e desfaçatez.

  • Novos desafios

    A situação mundial se complica com a crise econômica, limitação de recursos e conflitos. O Brasil poderia atuar como uma interseção de harmonização, mas sua população deveria se centrar nisso, na busca da melhora, sem dispersar tempo e energia com discussões ideológicas que não conduzem a nada. Prevalece o desejo de dominação e poder, sem que seja reforçada a visão de melhor futuro, com liberdade, segurança e qualidade de vida. As novas gerações estão sendo afastadas disso e levadas ao superficialismo.

  • O futuro da Humanidade

    Muito se fala em esperança para o Brasil, mas será que estamos saindo da grave recessão? Ainda é preciso dar sustentabilidade para a educação, melhorar a qualidade humana e os empregos. Todos os povos têm o direito ao trabalho e a uma vida digna. Qual é o futuro da humanidade? O livre mercado e o capitalismo precisam estabelecer o equilíbrio para que a globalização traga bons resultados para toda a população do planeta.