• circulodograal.com       *       circulodograal.com/loja

  • Av Dr Bernardino da Silva 15, 3º esqº  8700-301 Olhão    *    Portugal

  • circulodograal@sapo.pt       *       963 709 989

  • Mensagem do Graal
    Mensagem do Graal

     

    Na Luz da Verdade

    Mensagem do Graal

    Autor: Abdruschin

    Livraria do Círculo

  • Os Dez Mandamentos
    Os Dez Mandamentos

     

    Os Dez Mandamentos

    e o Pai-Nosso

     Autor: Abdruschin

    Livraria do Círculo

  • O Filho do Homem
    O Filho do Homem

     

    O Filho do Homem na Terra

    Autor: Roberto C. P. Junior

    Livraria do Círculo

  • Jesus
    Jesus

      

     

    Jesus ensina as leis da Criação

    Autor: Roberto C. P. Junior

    Livraria do Círculo

  • O nascimento da Terra
    O nascimento da Terra

     

    O nascimento da Terra

    Autora: Roselis Von Sass

    Livraria do Círculo

  • Atlântida
    Atlântida

     

    Atlântida

    Princípio e fim da grande tragédia

    Autora: Roselis Von Sass

    Livraria do Círculo

  • Moisés
    Moisés

     

     

    A vida de Moisés

    Autor: Coleção O Mundo do Graal

    Livraria do Círculo

  • Buda
    Buda

     

     

    Buda

    Autor: Coleção O Mundo do Graal

    Livraria do Círculo

REFLEXÃO

O reconhecimento de Deus

Em cada povo, em cada ser humano, tem de existir, primeiro, a base para a receção dos elevados reconhecimentos de Deus, que se encontram na doutrina de Cristo. Somente partindo de uma base amadurecida para isso, o espírito humano pode e tem de ser conduzido então a todas as possibilidades de um reconhecimento de Deus através da doutrina de Cristo.

Mensagem do Graal

Artigos de opinião

Direito de opinião neste Espaço

O autor pode publicar artigos de sua autoria e responsabilidade, reservando-se o administrador do sítio a gestão dos mesmos e o direito de os publicar em função da idoneidade, sentido da palavra e conteúdo. Não existe orientação ou delapidação da opinião de cada um, liberdade que partilhamos, mas assiste ao administrador o mesmo caminho e a manutenção dos artigos em função da filosofia do Espaço.

Se desejar participar envie os seus artigos para o nosso contacto - Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Agradecemos e desejamos a vossa participação.

O Círculo

 

 

“ Enquanto houver sobre a Terra alguém que procure levantar o Céu, quer dizer, implantar um pouco de bondade e de beleza sobre a Terra, restabelecer equilíbrios, perdoar ofensas, respeitar o “Céu”, renunciar ao poder, plantar uma árvore e regá-la todos os dias, vibrar com uma cantata de Bach, arriscar a vida para matar a fome a alguém, comover-se com o riso de uma criança, sentir-se interpelado pelo mistério de Jesus Cristo no Getsémani como Aquele que carrega os pecados do mundo – enquanto houver alguém que teime em entregar-se à Vida, sem pensar em si mesmo, mas tendo em mente os seus semelhantes – não é insensato manter a esperança. “

José Mattoso em Levantar o Céu

Enquanto houver esperança, o ser humano dará mais um passo na longa jornada, que é a sua vivência experiencial, no sentido da vida individual e nos equilíbrios da vida em comum. Um manto de névoa cobre a sociedade dos homens na época atual, nada de extraordinário, já que, em tempos idos, outras épocas de nevoeiro obscureceram a nossa visão humanista e o sofrimento se abateu sobre nós; no histórico da sabedoria popular, podemos usufruir do seu património cultural e educacional, “não há mal que sempre dure nem bem que não acabe”. Sabemos ser fortes diante das muitas adversidades com que a vida nos contempla, dos muitos sofrimentos que nos afligem, das injustiças com que nos deparamos, perante situações verdadeiramente complexas, doenças, calamidades, guerras, pobreza e um rosário de outras aflições…

Nem empregador nem os empregados têm culpa disso, nem o capital nem a sua falta, nem a igreja nem o Estado, nem as diferentes nações, mas tão-somente a sintonização errada das pessoas, individualmente, fez com que tudo chegasse a tanto!

Abdruschin

A Europa, democrática e solidária, geme sob os lamentos de Ophelia, sufocados pelo grito indignado dos injustiçados, tiranizados pelo jugo cego e egocêntrico de um liberalismo económico, carrasco do espirito social, que construiu e uniu uma Europa tirana e devastada, numa Europa moderna e social. Com o tempo que muda, também muda a humana vontade, alimentando valores ancestrais, nem sempre dignos, mas repetindo-se num ciclo vicioso, em que a experiência serve para aprimorar o que de mau foi feito para mau continuar. Os sistemas mudam, a indigência espiritual e humana mantém-se, e o ciclo da história repete-se, não nas mesmas ações, mas nos efeitos.

A realidade é séria e inexorável. Os desejos humanos não podem, a tal respeito, provocar alterações de espécie alguma. Férrea se mantém a lei: “Aquilo que o ser humano semeia, colherá multiplicadamente!” Abdruschin

Dois milénios de história condicionaram a humana vontade na sua evolução comportamental e civilizacional. Anseios que a história registou em clamores débeis dos desvalidos e gritos desvairados dos poderosos numa simbiose egocêntrica de evolução cultural e espiritual. Apesar de tudo o homem evoluiu no pensamento, iluminou-se no conhecimento, desbravou o oceano largo e a sua capacidade neural, saiu da época das trevas para a época das luzes, agigantou-se na sua formação… e manteve-se em desequilíbrio!

"De crise em crise a Humanidade evolui e faz história"

O homem, por força da sua natureza, é um ser sociável, a liberdade, fruto do livre arbítrio, é a ferramenta certa para a sua evolução como ser criativo, nas artes, nas ciências, na política… a livre expressão e o caudal do pensamento permitem que o homem evolua no Conhecimento. A espiritualidade molda o comportamento primário e aprimora-o no sentido da sensibilidade e refinamento do trato, é uma conjugação importante que define o estado do ser, a espiritualidade e o raciocínio como um todo, atuando em benefício e equilíbrio, assim fomos criados, assim seremos até ao fim dos tempos, no cumprimento da Vontade do Altíssimo.

Os valores humanos não se medem pelas ações e comportamento de uma vida (¹). Pessoas frívolas e com baixo índice de cultura cívica podem dar exemplos de abnegação e amor ao próximo, que muitos que praticam os bons costumes e se impõem regras de conduta não seriam capazes em tempos de guerra e outras calamidades, teatros humanos onde se despem os preconceitos e outros artifícios comportamentais; a nu está o ser humano diante da realidade efetiva! O comportamento humano é imprevisível e por consequência insondável, ele contém o fruto do universo, a espiritualidade, que germina nos campos da materialidade por onde peregrina (²), com seus afetos, criadores de emoções e sentimentos, conflitualidades inerentes ao desempenho do livre-arbítrio, misto de progresso e evolução na boa vontade, tão só, assim deveria ser! (³).