O homem procura o elo perdido da sua universalidade. Ecos longínquos, vindos do fundo do tempo, clamam ao seu âmago por verdade. O anseio, que ele não identifica, não o deixa tranquilo; é o grito silencioso da alma oprimida por séculos de História, minada por ações que reclamam o final do ciclo.